quarta-feira, 13 de abril de 2016

terra



terra

antes que alguém morra
escrevo prevendo a morte
arriscando a vida
antes que seja tarde
e que a língua da minha boca
não cubra mais tua ferida

entre/aberto
em teus ofícios
é que meu peito de poeta
sangra ao corte das navalhas
minha veia mais aberta
é mais um rio que se espalha

Artur Gomes

foto: Artur Gomes Gumes

Nenhum comentário:

Postar um comentário