sexta-feira, 18 de fevereiro de 2011

Abertas inscrições para curso de Pós em Documentário na Fafic







Estão abertas na direção de Pós Graduação do UNIFLU-FAFIC as inscrições para Curso de Especialização em Documentário Cinematográfico, com aulas nas noites de sexta-feira e nas manhãs e tardes de sábados.
O curso terá as seguintes disciplinas: "Introdução: o Documentário e seus tipos", "Realidade Brasileira", "Realidade Regional", "Teorias do Documentário", "Tendências Contemporâneas em Documentário", "Princípios Técnicos de realização do Documentário", "Ética Documental", "Preparação de Projeto de Captação", "Dispositivos Móveis e Novas Tecnologias" e "Metodologia da Pesquisa Científica".

Clique aqui para obter mais informações.

fonte: http://urgente.blogspot.com/



O Faraó, camelos e o Facebook

Os cientistas e acadêmicos ocidentais, seguidos apressadamente pela mídia, sempre declararam a inexistência de uma “opinião pública” no Mundo Árabe. Mesmo no Egito, onde uma poderosa elite e uma importante classe média bem educada, falante de inglês, possuem raízes profundas, era negada qualquer possibilidade de existência de uma “sociedade civil”.

Francisco Carlos Teixeira no sitio CartaMaior

Berlim. Os últimos acontecimentos no Egito, em especial os últimos 18 dias entre 25 de janeiro e 11 de fevereiro colocam por terra algumas teses tradicionais das ciências políticas e da percepção política e social do Mundo Árabe pela opinião pública ocidental. A tese, velha da Guerra Fria, sobre a pretensa “excepcionalidade árabe”, da sua incapacidade para a democracia e, portanto, a aceitação alegre, pelo Ocidente, de todo tipo de ditadura pós-colonial (claro, sendo pró–ocidental). Da mesma forma, a crença na inexistência de uma opinião pública no mundo árabe, explicaria a ausência de democracia. Ambas as teses devem, agora, ser severamente revistas.

O Egito de Hosni Mubarak

O Egito é um país central para o mundo árabe, para os muçulmanos em geral e para o equilíbrio no Oriente Médio e no Mediterrâneo. Os últimos dados confiáveis – já que o censo demográfico, e conseqüentemente o acesso à condição de eleitor, é um dado secreto, só sabido pelas forças de segurança – dão ao país pouco mais de 80 milhões de habitantes, extremamente concentrados no Cairo e na longa e estreita faixa fértil ao longo do Nilo. Isso faz do Egito o país árabe mais populoso do mundo (o país muçulmano mais populoso é a Indonésia, logo seguida do Paquistão, países não-árabes). Ao mesmo tempo a população egípcia é extremamente jovem. Cerca de 33% de todos os egípcios possuem menos 15 anos de idade e a média nacional de idade é de 24 anos.

Temos aqui um primeiro dado que ilumina profundamente a revolta, e a conseqüente revolução, no país: a extrema juventude da população, a maioria nascida quando Mubarak já era o raís – o líder e chefe – do Egito. Estes jovens não são contemporâneos da Guerra dos Seis Dias, em 1967, e da Guerra do Yom Kippur, de 1973, nas quais Hosni Mubarak conquistou suma fama de defensor da pátria. É em verdade uma juventude marcada pela presença da globalização, dos meios eletrônicos e da busca de uma boa carreira profissional e um padrão de vida melhor (a média salarial egípcia está em torno de 100 euros mensais).

Contudo as vantagens param por aí: apenas 71% desta imensa população é alfabetizada, sendo que entre as mulheres apenas 59% delas podem ler e escrever. Tal restrição não decorre, como rapidamente poder-se-ia dizer no Ocidente, do Islã. Muitas mulheres egípcias ocupam postos importantes na universidade, nos hospitais e nas escolas. Trata-se, em verdade, de deficiência do regime.

As reformas falhadas

A economia egípcia depende de uma agricultura tradicional, centrada na produção de algodão, arroz, trigo aos quais se soma a indústria têxtil e a exploração do petróleo, apenas relevante. Contudo o turismo e os direitos decorrentes do trânsito do Canal de Suez geram grande parte da riqueza do país e o fato de serem atividades diretamente controladas pelo Estado são, também, fontes da ampla corrupção e do enriquecimento ilícito da elite mantida pelo regime de Mubarak.

Mubarak
buscou, desde a crise de 2008, “abrir” o país aos investimentos e aos capitais estrangeiros, nomeando um ministério de tecnocratas altamente influenciados por um impiedoso neoliberalismo tardio. Os resultados foram catastróficos. O deficit público atingiu 8% do PIB e o desemprego espraiou-se por toda a população, atingido quase 10% da população ativa do país, enquanto a inflação saltava para 12% ao ano. Assim, somava-se à ausência de democracia e a imposição do espetáculo da corrupção das elites, a pobreza crescente das populações. Não é de estranhar que o primeiro egípcio a se imolar contra o regime Mubarak fosse um desempregado.

O Egito é, ainda, um dos mais importantes parceiros na “ajuda” militar dos Estados Unidos, logo abaixo de Israel e pouco antes da Colômbia. A grande parceria entre Estados Unidos e Egito emergiu quando Anwar Al-Sadat (o sucessor de Gamal Abdel Nasser e que governou entre 1970 e 1981) rompeu as tradicionais relações com a então URSS, em 1972, expulsou milhares técnicos e militares russos, e voltou-se para o Ocidente. Em troca de uma política externa “aceitável” para o Ocidente – ou seja, garantia de segurança para Israel, manutenção da liberdade de navegação no Canal de Suez e fechamento do acesso aos palestinos na região de Gaza – os EUA mantêm as FFAA do país em alto nível de desempenho e com o equipamento necessário para dar aos militares egípcios o sentimento de superioridade e segurança no Mundo Árabe.

A elite militar

O país, contudo, gasta 3.4% do seu PIB de U$ 500 bilhões com os militares, que formaram ao longo dos trinta anos de regime Mubarak (1981-2011), uma elite muito acima dos níveis sociais do conjunto da nação. O próprio marechal Mohamed Hussein Tantawi, de 75 anos, que acumulava o ministério da defesa e a chefia das FFAA e agora é o chefe do Conselho Supremo que governa o Egito pós-Mubarak, é parte desta elite gerada sob o regime e que se comportou ao longo dos últimos trinta anos como garantidor do regime.

Mas, a burocracia estatal, em grande parte oriunda do Partido Nacional Democrático (de Mubarak), mereceu bem mais críticas do que as FFAA. O alistamento militar massivo, como uma alternativa para jovens rapazes mal preparados e sem esperanças no mundo profissional, além das histórias de heroísmo na Guerra do Yom Kippur, garantiram grande popularidade aos militares.

A decisão de não reprimir a população revoltada na Praça da Libertação – na verdade uma tarefa transferida para a polícia e os paramilitares - nos dias mais duros da revolta consolidou a popularidades das FFAA. Contudo, o regime inaugurado dia 11 de fevereiro é, em verdade, uma brutal ditadura militar, onde o Conselho Supremo Militar governa por decretos inapeláveis.

A esperança de uma transição pacífica para a democracia é, contudo, real e concreta. A proclamação do Conselho Supremo Militar promete “eleições livres, novo marco constitucional e políticas de ajuda e assistência social para a população”.

O marechal Tantawi (ao lado do chefe dos serviços secretos Omar Suleiman, o vice-presidente nomeado por Mubarak no auge da crise), de 75 anos, o homem forte do novo regime, possui um longo histórico de negociações com os americanos e os israelenses, servindo de garante para o status quo pós-1973 (ano da Guerra do Yom Kippur). Não sem motivos, Tantawi fez contato, logo após assumir o poder no Cairo, com Ehud Barak, ministro da defesa de Israel, para garantir – ao contrário do sentimento popular, claramente pro-palestinos, que nada mudaria na política externa e de defesa do Egito.

A cólera das ruas

Os cientistas e acadêmicos ocidentais, seguidos apressadamente pela mídia, sempre declararam a inexistência de uma “opinião pública” no Mundo Árabe. Mesmo no Egito, onde uma poderosa elite e uma importante classe média bem educada, falante de inglês, possuem raízes profundas, era negada qualquer possibilidade de existência de uma “sociedade civil”.

Claro, que o olhar dirigido pelo Ocidente ao Mundo Árabe era (e ainda é) baseado na sua própria história, nas experiências vividas nas margens do Atlântico Norte, tais como a Revolução Americana (1776) e a Revolução Francesa (1789). Em face do fato de que a história do Egito (bem como da Índia ou da China) não possuírem experiências similares, concluía-se pela impossibilidade da democracia implantar-se nos antigos países “coloniais”.

Assim, o Egito (e os demais países não-europeus) estaria condenado a viver regimes autoritários, a única forma de garantir a ordem e o progresso em face de massas atrasadas e, normalmente, fanatizadas pelo Islã ou outra religião não cristã.

Assim, o próprio conceito de “opinião pública” foi, para os analistas ocidentais, substituído pela idéia de “rua árabe”. Apenas a rua, as praças e o bazar seriam locais de reunião e de troca de opinião, em substituição precária e esporádica da noção ocidental de “opinião pública”. A “rua árabe” funcionava ora como espaço amedrontado do murmúrio, ora como o local de explosões violentas e sem direção. As redes tradicionais de sociabilidade árabes – como as mesquitas, os cafés e a ampla rede de instituições de ensino e, no caso egípcio, a Universidade de Al-Azhar, além da sociabilidade profunda nos locais de trabalho – nunca mereceram a necessária apreciação. Assim, criava-se a noção de uma “excepcionalidade árabe”, uma espécie de beco sem saída político, onde a escolha seria entre regimes autoritários capazes de controlar a multidão feroz ou o caos fanatizado das massas.

Camelos e Facebooks

O processo em curso no Egito – depois da experiência na Tunísia – mostra outra realidade, mais complexa e nuançada, onde a ciência política ocidental, e a percepção leiga, não foram capazes de entender os elementos constitutivos mais importantes.

Não só a população urbana dos grandes centros mostrou-se capaz de ampla mobilização – foi assim em Túnis, no Cairo ou Alexandria e aponta para ser em Argel e em Sanaa – como ainda foi capaz de fazê-lo sem apelo à violência endêmica e a xenofobia ou, o que se dizia acontecer, cair em mãos do islamismo radical. A surpresa adveio, assim, do conhecimento superficial do Mundo Árabe e, ao mesmo tempo, dos preconceitos ocidentais.

De forma muito apressada, a mídia ocidental – saturada de sua própria tecnologia e idolatrando produções como “Rede Social” – denominou o movimento de rebeldia como uma “Facebook Revolution”, dada a relevância, concreta, dos meios eletrônicos na dispersão das ideias de revolta. Ainda aqui, mais uma vez, as redes tradicionais de sociabilidade árabes, as formas de comunicação diárias nas escolas, mesquitas, nos cafés e no trabalho, são ignoradas em favor de uma percepção tecnologizante e ocidentalizada.

A piada do “Le Monde” mostrando um Mubarak atento à explicação do que é Facebook pelo seu camelo no caminho do exílio para Sharm el-Sheik é boa, mas é só uma piada.

As revoluções sempre ocorreram na história onde a repressão política e o mal-estar econômico e social perduraram sobre as populações. A revolução Russa (1917) ou a longa Revolução Chinesa (até 1949), bem como a Luta pelas Diretas Já, na redemocratização do Brasil, por exemplo, não foram produtos – e nem o poderiam ser – da Internet (ou mesmo do rádio ou da televisão). Havia, ontem como hoje, redes de sociabilização do protesto e da resistência, e a Internet pode ser um ótimo meio para a divulgação de novas (e velhas) ideias. Mas, a Internet não pode ser considerada a causa das revoluções.

Estaríamos, neste caso, em face de um novo preconceito, agora explicando a história das revoluções através de tecnologias recentíssimas. Seria apenas mais uma forma de etnocentrismo.

Uma revolução moderna

Um outro preconceito aceito sem debates no Ocidente é a certeza que os movimentos sociais no Mundo Árabe, quando movimentos de massa, são sempre islâmicos radicais. O que vemos hoje – apesar do claro processo de re-islamização das sociedades árabes pós-coloniais – é uma explosão de ideais e projetos de futuro em busca de uma vida melhor, adequando islamismo e bem-estar social. A “onda islamizante” já passou. Os jovens que protestam no Cairo são irmãos daqueles que protestam em terão contra a ditadura dos aiatolás.

A geração islamistas radical não está no Cairo e sim em Kandahar.

É bem verdade que tais preconceitos são sempre favoráveis aos interesses ocidentais. A crença arraigada na impossibilidade de uma democracia árabe, ou muçulmana, servia à perfeição para justificar o apoio ocidental aos regimes repressivos mais cruéis e abusivos existentes no mundo em face de um hipotético risco de ascensão do caos e fanatismo. Assim, a Europa comunitária (CE), pretensa pátria da democracia, manteve até bem tarde calada em face das revoluções em Túnis e no Cairo. Em Munique, na reunião anual sobre segurança e defesa, o chefe da OTAN – a aliança militar ocidental – apontou para as mudanças políticas no Mediterrâneo como a causa imperiosa para o aumento dos gastos militares.

Por sua vez, Israel – “a única democracia do Oriente Médio” – não só lamentou a revolta egípcia, como ainda desenvolveu sérias gestões junto a Washington visando demover o Presidente Obama em seu apoio aos militantes da Praça da Libertação no Cairo. Para o premier Netaniahu a segurança de Israel não se adéqua com a democracia no Oriente Médio.

Os espetaculares acontecimentos em Túnis e no Cairo abrem caminho para o debate série e não mais eivado de etnocentrismo sobre os diversos caminhos, autônomos, em direção a uma democracia sólida e humanitária. A preeminência ocidental, a modelagem única baseada na história desta pequena e hoje cada vez mais pobre península da Eurásia, não seria mais modelo obrigatório para todos.

A conciliação entre Islã e democracia, lançando por terra prateleiras inteiras de “saber ocidental”, encontra-se hoje, no Cairo, com seu próprio destino. Conforme a proclamação do Conselho Supremo do Egito busca-se a construção de um sistema “em que a liberdade do ser humano, o império da lei, a fé no valor da igualdade, a democracia plural, a justiça social e a erradicação da corrupção constituam as bases da legitimidade de qualquer sistema de governo que dirija o país”.

Palavras. Mas, são palavras que vieram de 18 dias de revolta e luta e custaram até o momento 300 mortos.

(*) Professor Visitante da Universidade Técnica de Berlim


Francisco Carlos Teixeira é professor Titular de História Moderna e Contemporânea da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

Nenhum comentário:

Postar um comentário