quarta-feira, 19 de janeiro de 2011

Catástrofe no Rio: Número de mortos pode chegar a mil

fonte: yahoo.com.br




O número de mortos na tragédia da região serrana do Rio de Janeiro pode chegar a mil. Nesta terça-feira, (ontem) uma semana depois da maior catástrofe natural do país desde 1967, a Secretaria Estadual de Saúde já contabilizava 710 vítimas fatais.

O Ministério Público do Rio conseguiu também fazer um cadastro dos desaparecidos nos municípios atingidos pelas chuvas. São 311 pessoas em quatro municípios: Teresópolis (184), Nova Friburgo (109), Bom Jardim (2), Petrópolis (16).

Hoje voltou a chover forte em Teresópolis e Petrópolis. A Defesa Civil de Petrópolis ficou em alerta. As ruas de alguns bairros, como Bingen e Mosela, alagaram. Em Nova Friburgo, o trabalho de resgate foi intenso. Os bombeiros encontraram o corpo de um jovem soterrado na Rua Cristina Ziedi, no centro. De acordo com relatos da vizinhança, onde parte de um prédio desabou e várias casas foram soterradas, há mais 11 corpos na área.

Cabo Mendes, que trabalha nas buscas, diz que não seria possível cavar a terra com pá, dada a enorme quantidade de entulho. "É um serviço para máquina. O piloto está orientado a cavar com cuidado, para não esfacelar os corpos", O prédio e as casas daquele trecho da rua foram interditados. Nova Friburgo é a cidade com o maior número de mortos (334), seguida de Teresópolis (285), Petrópolis (60), Sumidouro (21) e São José do Vale do Rio Preto (2).

Uma semana depois da tragédia os sobreviventes tentam retomar a vida normal. No bairro de Jardim Salaco, em Teresópolis, a vendedora Priscila Mariano de Oliveira ainda se esforça para economizar água, caminha quase 1h30 pela lama para chegar ao centro da cidade e precisa cruzar o bairro para tentar carregar o telefone celular. Fora de casa desde o temporal, ela se abrigou no sítio do pai, no mesmo bairro, mas continua sem energia elétrica e sem acesso às linhas de ônibus.

"A gente fica com vela e lanterna a noite inteira, porque a luz ainda não voltou. Quem tem água na cisterna economiza e quem não tem coloca baldes na rua quando chove para tentar lavar alguma coisa. Ônibus, nem pensar - acho que não vai voltar a passar aqui tão cedo", descreve.

Priscila relatava sua rotina enquanto um temporal voltava a encharcar Teresópolis, na tarde de hoje. Com medo de que a chuva provoque novos deslizamentos, a vendedora enumera dezenas de preocupações que ocupam sua cabeça desde o dia 12: sua família sobreviveu ao desastre e sua casa ficou de pé, mas já sabe que não pode voltar a morar no mesmo lugar; deixou quase todos os pertences para trás e tem medo de que saqueadores levem o que ficou; não tem como chegar ao trabalho, no centro da cidade, pois o acesso só é feito a pé; e precisa pedir para entrar na casa de um morador do outro lado do bairro quando precisa de energia elétrica.

"Ainda fico com medo de descer mais barreiras, atingir mais casas que por pouco não foram atingidas. Minha casa fica na parte baixa, que pode ser atingida, mas eu pretendo voltar para lá até achar outro lugar. Não tenho como abandonar tudo", disse. (Paulo Sampaio, Bruno Boghossian, Flávia Tavares, Marcelo Auler, Pedro Dantas, Márcia Vieira, Roberta Pennafort)



Favelas no Rio terão sirene para alerta de chuva

A Prefeitura do Rio de Janeiro vai instalar sirenes em favelas para alertar moradores em caso de chuva forte. A previsão é de que a primeira esteja funcionando no Morro do Borel, na zona norte, já na próxima sexta-feira. Serão 60 ao longo das próximas semanas.

O prefeito Eduardo Paes informou ainda que 1.875 agentes comunitários terão um celular para receber alertas da Defesa Civil por torpedo. Um total de 117 presidentes de associações destas favelas também.

De acordo com a prefeitura, existem 18 mil imóveis em áreas de risco na cidade. Eduardo Paes assegurou que, no verão de 2012, a capital terá um sistema tão bom quanto o de cidades australianas - a citação se deveu ao fato de moradores de Queensland, estado mais atingido pelas enchentes na Austrália, terem sido avisados pela prefeitura de que havia possibilidade de inundação em suas casas.



Chuvas provocam mais deslizamentos em Petrópolis-RJ


A Defesa Civil de Petrópolis (RJ) informou que foram registrados na tarde de hoje três pequenos deslizamentos de terra ocorridos no centro e nos bairros Bingen e Vila Militar. Ninguém ficou ferido. Em aproximadamente uma hora foram registrados 80 mm de chuva no centro da cidade.

Na Rua Carolina Justen, na Vila Militar, os próprios moradores realizaram a desobstrução do caminho atingido. A Rua do Imperador e a Rua Coronel Veiga ficaram alagadas com o transbordamento do Rio Piabanha e Rio Quitandinha.

Um dos deslizamentos aconteceu na Rua Paulino Afonso, no centro, deixando a via em meia pista, já sinalizada pela Companhia Petropolitana de Trânsito e Transporte (CPTrans), pois o engenheiro da Defesa Civil que vistoriou o local relatou que existe ainda o risco de mais escorregamentos de terra.

A outra ocorrência foi registrada na Rua Manoel Torres, no Bingen. Além do deslizamento de terra, houve um descolamento da via. A Secretaria de Obras esteve no local com máquinas para desobstruir a rua e iniciou a colocação dos paralelepípedos erguidos com a água da chuva. A pista já foi liberada pela CPTrans.


Governo prorroga prazo para pagamento de tributos em cidades afetadas pelas chuvas


BRASÍLIA - O Ministério da Fazenda vai prorrogar os prazos para pagamento de tributos federais e suspender prazos de atos processuais da Receita Federal em sete municípios do Rio de Janeiro atingidos pelas chuvas: Areal, Bom Jardim, Nova Friburgo, Petrópolis, São José do Vale do Rio Preto, Sumidouro e Teresópolis. As medidas serão publicadas no Diário Oficial da União nesta quarta-feira.

Segundo o Ministério da Fazenda, os contribuintes destes municípios terão prazo de seis meses para a quitação dos tributos federais originalmente vencidos entre 11 de janeiro e 31 de março de 2011. "A prorrogação de prazo não implica direito à restituição de quantias eventualmente já recolhidas", diz nota divulgada nesta terça-feira.

Os prazos para a entrega de declarações à Receita com vencimento nos meses de janeiro, fevereiro e março também serão prorrogados até 31 de julho.


"O Ministério da Fazenda vai publicar portaria prorrogando os prazos para pagamento de tributos federais e suspendendo os prazos para a prática de todos os atos processuais no âmbito da Receita Federal do Brasil para os contribuintes domiciliados nos municípios de Areal, Bom Jardim, Nova Friburgo, Petrópolis, São José do Vale do Rio Preto, Sumidouro e Teresópolis. No mesmo sentido, a Receita Federal publicará Instrução Normativa prorrogando os prazos para a entrega de declarações relativas aos tributos por ela administrados.

Portanto, a partir da edição desses atos normativos, os contribuintes domiciliados nesses municípios terão o prazo de seis meses para a quitação dos tributos federais originalmente vencidos entre 11 de janeiro e 31 de março de 2011. A prorrogação de prazo não implica direito à restituição de quantias eventualmente já recolhidas. Os prazos para a prática de atos processuais no âmbito da Receita Federal do Brasil serão suspensos, com data limite até 31 de julho de 2011. Os prazos para a entrega de declarações à Receita Federal com vencimento nos meses de janeiro, fevereiro e março também serão prorrogados até 31 de julho de 2011.

As medidas integram um conjunto de ações adotadas pelo Governo Federal para minimizar os transtornos causados pelas enchentes que atingiram municípios do Estado do Rio de Janeiro e são similares às adotadas em situações de calamidade pública como as decretadas nos estados de Santa Catarina, Alagoas e Pernambuco em 2008 e 2010.

Os atos serão publicados no DOU desta quarta-feira (19/01)".






Nenhum comentário:

Postar um comentário