domingo, 17 de outubro de 2010

"Dona de gráfica que estava imprimindo panfletos contra Dilma é do PSDB"

Já passava das 2 da manhã desse domingo. Na porta da gráfica Pana, no Cambuci, um grupo de 50 a 60 pessoas seguia de plantão - para evitar a distribuição dos panfletos (supostamente encomendados pelo bispo católico de Guarulhos) recheados de mistificação religiosa e de ataques contra a candidata Dilma Rousseff.

Mais um capítulo da guerra suja travada nessa que já é a mais imunda eleição presidencial, desde a redemocratização do Brasil. Na internet, durante a madrugada, outro plantão rolava: tuiteiros, blogueiros e leitores de todo o Brasil buscavam informações sobre os donos da gráfica, e sobre as possíveis conexões deles com o mundo político.

Stanley Burburinho (ele mesmo!) e Carlos Teixeira fizeram o trabalho. Troquei com eles algumas dezenas de mensagens. E essa apuração colaborativa levou à descoberta: uma das sócias da gráfica Pana é filiada ao PSDB, desde 1991!

Trata-se de Arlety Satiko Kobayashi, vinculada ao diretório da Bela Vista - região central de São Paulo. Nenhum problema com a filiação de Arlety ao partido que bem entender. O problema é que a gráfica dela foi usada para imprimir panfletos aparentemente encomendados por um bispo, mas que "coincidentemente", favorecem ao candidato do partido dela. Aqui, o contrato social da empresa - onde Arlety Kobayashi aparece como uma das sócias: contrato_social_grafica_pana[1]

Mais um detalhe: Arlety é também funcionária pública, tem cargo na Assembléia Legislativa de São Paulo. E tem um sobrenome com história entre os tucanos: Kobayashi. Paulo Kobayashi ajudou a fundar o partido, ao lado de Covas, foi vereador e deputado por São Paulo. Arlety aparece como doadora da campanha de Victor Kobayashi ao cargo de vereador, em 2008. Victor concorreu pelo PSDB.A conexão está clara. Os tucanos precisam explicar:

- por que o panfleto com calúnias contra Dilma foi impresso na gráfica de uma militante do PSDB?
- quem pagou: o bispo de Guarulhos, algum partido, ou a Igreja?
- onde seriam distribuídos os panfletos?
- onde estão os outros milhares de panfletos?

Os panfletos do Cambuci são mais uma prova da conexão nefasta que, nesa eleição, aproximou os tucanos da direita religiosa - jogando no lixo a história de Covas, Montoro e tantos outros que lutaram para criar um partido "moderno", que renovasse os costumes políticos do país. Serra lançou esse passado no esgoto - e promoveu uma campanha movida a furor religioso.

Mas não é só isso!

Se Arlety Kobayashi (uma tucana) é a responsável pela impressão dos panfletos, na outra ponta quem é o sujeito que encomendou tudo?

O Blog "NaMaria" traz a investigação completa, que aponta Kelmon Luis da S. Souza como o autor da "encomenda". Ele teria ligações com movimentos integralistas e monarquistas!

O Blog do Nassif , por sua vez, mostra que as conexões poderiam chegar até bem perto de Índio da Costa (DEM), o vice de Serra. Ele, em algum momento, também teve proximidade com monarquistas. Mas esse detalhe ainda não está bem esclarecido.

De toda forma, o círculo se fecha: tucanos, demos e a extrema-direita (católica, integralista ou monarquista). Todos unificados numa barafunda eleitoral que arrastou nomes de bispos para a delegacia, e nomes de políticos para o rol daqueles que apostam na guerra de religiões como arma eleitoral.

Há mais mistérios entre o céu e o Serra do que supõe nossa vã filosofia. Paulo Preto é um deles. A gráfica do Cambuci parece ser outro. Mistérios que não serão decifrados por teólogos, mas por delegados e agentes federais.

É caso de polícia. E não de religião.

Fontes: Luiz Nassif Online, NaMaria News, Escrevinhador (Rodrigo Vianna) e Os Amigos do Presidente Lula.

http://osamigosdopresidentelula.blogspot.com/
Luiz Gastão A. Mello Gaia
Dignidade Sempre
Minas Gerais, não dá para explicar, tem que viver



Quem de fato criou o FAT e o Seguro-Desemprego?

Serra mente! (se já faz isso na campanha, imagina se fosse eleito ... alémde não ter criado o FAT - Fundo de Amparo ao Trabalhador e o Seguro-Desemprego, tampouco criou os genéricos, um projeto de autoria de Jamil Hadad, e não quebrou qualquer patente durante sua permanência como Ministro da Saúde). O TSE e a grande mídia fazem vista grossa e aceitamas mentiras eleitoreiras ... desde que procedam do PSDB.

Cadê o Ministério Público Eleitoral?
Altamiro Borges (Blog do Miro)*

Uma das marcas da campanha presidencial de José Serra é a da dissimulação –para ser mais direto, da mentira. O candidato não tem como defender abertamente o programa neoliberal de desmonte do estado, da nação e do trabalho. Além de esconder seu programa, Serra está sem discurso. O chavão udenista da “ética” sucumbiu com a prisão do “vice-careca” Arruda no DF e com as denúncias de corrupção contra Yeda Crusius. Neste cenário, só resta mesmo a mentira.

Essa tática, usada à exaustão no primeiro turno, volta a ser a tônica dosegundo turno. No programa de rádio e TV do PSDB, o embusteiro aparece na maior caradura afirmando ser o criador do Fundo de Amparo ao Trabalhador(FAT) e do seguro-desemprego. No sítio oficial da campanha, a mentira está estampada no título: “Emenda de Serra criou o FAT e tirou oseguro-desemprego do papel”.

Expediente para alavancar a candidatura

Uma mentira repetida várias vezes pode virar “verdade”, já ensinava Goebbels, o marqueteiro de Hitler. Como advertiu o deputado federal VicentePaulo da Silva (PT-SP), em entrevista ao blog Viomundo, “nem o FAT nem o seguro-desemprego são criações do Serra... Ele não pode usar a mentira como expediente para se promover e alavancar sua candidatura, pois ele vai perder mais credibilidade. Ainda mais hoje em dia que, graças à internet, tudo é descoberto rapidamente”.

Uma rápida pesquisa nos anais do Congresso Nacional confirma o embuste do demotucano. O autor do projeto de lei que criou o FAT foi o ex-deputadofederal Jorge Uequed (PMDB-RS). O PL de número 991 foi apresentado em 11 deoutubro de 1988. Já o projeto de José Serra sobre o tema foi apresentado *sete meses depois*, em 5 de maio de 1989, e recebeu o número 2250. Na sessão de13 de dezembro de 1989, ele *foi considerado prejudicado pelo plenário da Câmara dos Deputados devido à aprovação do projeto de Jorge Uequed*.

*Sarney desmente o tucano*

Já no que se refere ao seguro-desemprego, José Serra volta a mentir. Na campanha presidencial de 2002, ele já havia difundido esta falsa versão. Nao casião, numa entrevista ao jornal Folha de S.Paulo, o senador José Sarney desmentiu o candidato de chofre. “Não sei de onde ele tirou que criou oseguro-desemprego. O seguro foi criado no meu governo. Na época, ele era secretário de Econômica e Planejamento do governador Franco Montoro”.

Como apurou o blog Viomundo, Sarney disse a mais pura verdade – e Serra, novamente, mentiu. “O seguro-desemprego foi criado em 1986, quando Sarney ocupava a presidência da República.
Foi instituído junto com o Plano Cruzado pelo decreto-lei 2.284, de 10 de março de 1986. Passou a ser concedido aos trabalhadores após a sua regulamentação, que ocorreu 40 dias depois, pelo decreto 92.608, de 30 de abril do mesmo ano”.

Nenhum comentário:

Postar um comentário