terça-feira, 27 de outubro de 2009

ENTREVISTA CURTA COM ARTUR GOMES - CAMPOS DOS GOYTACAZES / RJ



Publicada no Blog - http://cinemosquito.blogspot.com/ por Jiddu Saldanha

Ele é compulsivo e explosivo, uma usina atômica de produção. Vamos conhecer mais sobre o fundador da Fulinaíma Filmes e o mentor espiritual e intelectual do projeto Cinema Possível. O poeta Artur Gomes.

CM – Como foi que você se interessou pelo audiovisual?

AG - Desde a década de 80 quando ainda coordenador da Oficina de Artes Cênicas do Cefet Campos, todas as encenações que executava com os alunos da Oficina eram filmadas pelo setor de Áudio Visual da Escola, e isso de uma certa forma foi aguçando o meu olhar para essa linguagem, e de outra eu já procurava produzir as montagens com os elementos multimídia que a infra-estrutura da Escola oferecia na época.

CM – A proposta de juntar o audiovisual com a poesia já era um desejo ou aconteceu naturalmente?

AG - A poesia escrita sempre esteve presente em todas as linguagens que até aqui experimentei, e em todos os projetos multimídia que criei, tais como: Mostra Visual de Poesia Brasileira, Retalhos Imortais do SerAfim, FestCampos de Poesia Falada, bem como em todas as minhas performances fossem elas teatrais ou simplesmente poéticas. Chegar a produção do áudio visual, de uma certa forma não foi uma coisa planejada, mas quando começou a acontecer, trazer a poesia para esta linguagem foi e continua sendo o mais natural possível, mesmo que em alguns filmes que tenha produzido, a poesia esteja ali enquanto essência estética. Mas a minha intenção com o áudio visual, é basicamante essa: colocar a poesia para circular numa mídia onde ela tem a possibilidade de ser vista, lida, ouvida e sentida por todos os sentidos do corpo humano.

CM – Fale um pouco da Fulinaíma Filmes.

AG - A Fulinaíma Filmes nasceu graças ao Jiddu Saldanha, e o seu projeto Cinema Possível, nossos primeiros filmes nasceram de uma parceria que está chegando há duas décadas, e acredito que conseguimos alimentar de uma certa forma a Arte do outro, sem interferir na produção pessoal de cada um. Queremos produzir o possível cinema que não necessita de grandes aparatos, ou grandes produções. Continuo a ser essencialmente um poeta que aprendeu a lidar com outras linguagens e aproveitar de uma tecnologia barata a nossa disposição hoje, e daí aproveitar cada vez mais os espaços não convencionais para a criação e apresentação do seu produto poético.

CM –O que você gosta de assistir? Quais os filmes que te influenciaram?

AG - Em cinema gosto dos Dramas, e das grandes Comédias, quanto a influências com certeza toda a obra do Glauber Rocha, sem descartar os filmes de Arte propriamente ditos. Sou um discípulo confesso do Oswald de Andrade, por isso a sátira o humor o escracho sempre me atraem também da mesma forma que os filmes mais sérios e voltados para os grandes temas da humanidade.

CM – O que você acha que pode melhorar, no panorama do cinema brasileiro?

AG - Olha, não sou muito preocupado com esta questão de Mercado, é uma coisa que para mim passa muito distante como uma Escola de Samba que atravessa literalmente na Avenida. Acho que a preocupação deveria estar mais focada na Arte e menos nas bilheterias.

CM – Quais os filmes que te influenciaram?

AG - Para citar apenas 2, fico com Terra em Transe e Deus e o Diabo na Terra do Sol, duas obras primas do Glauber.

CM - Quem é Artur Gomes, por Artur Gomes?

AG - Um poeta sem papas na língua, que chegou onde chegou pela ousadia da sua linguagem, que com lirismo e sagaranagens consegue desafinar o coro dos contentes, para concretizar a profecia do Torquato Neto, poeta entre os meus de cabeceira, e que ainda insiste em ter o prazer de escrever, falar, produzir poesia simplesmente pelo prazer de ser o que é: um bardo do caos urbano sem nenhuma palavra bíblica e muito menos avaria. Desde que aprendeu a arrancar do gesto a palavra chave da palavra a imagem xis tudo por um risco tudo por triz.

Para entrar na comunidade da Fulinaíma Filmes (clique aqui)
Para entrar no Blog de Artur Gomes (clique aqui)
Para ver os filmes de Artur Gomes (clique aqui)

sexta-feira, 23 de outubro de 2009

Roteiros por Floripa Santa Catarina




Caros amigos,
Sábado dia 24 de outubro é o dia de ação global da 350. Saiba mais e participe no link:
Encontre um evento!
Mês passado os eventos da Hora de Acordar inundaram as linhas telefônicas dos nossos governantes. Este sábado acontecerá uma nova mobilização global pelo clima para mostrar aos governantes o fôlego, poder e clareza do movimento climático global. Graças ao trabalho dos nossos amigos da 350.org, teremos mais de 4000 eventos climáticos espalhados pelo mundo todo, desde a Grande Barreira da Austrália até o Monte Everest. Você também pode participar de um evento perto de você, este sábado dia 24 de outubro, dando ainda mais força para este movimento. Clique abaixo para buscar um evento próximo de você: http://www.avaaz.org/po/350_mapO número 350 representa a quantidade segura (em partes por milhão) de carbon na atmosfera -- atualmente temos 387ppm. Graças à pressão da sociedade civil, 89 países já se comprometeram em estabelecer 350ppm como meta global. Dia 24 de outurbo todo evento deverá ter uma foto com o número 350. As fotos do mundo todo serão entregues para repórteres e divulgados para a mídia nas telas gigantes do Times Square em Nova York, e entregues diretamente para centenas de líderes globais e políticos nas próximas semanas. Posar em grupo para uma foto com o número 350 pode parecer uma ação pequena – mas quando ela é feita milhares de vezes em milhares de cidades, a ação ganha força, dando aos governantes uma mostra do entusiasmo e poder da nossa luta contra as mudanças climáticas. Participe! Encontre um evento perto de você: http://www.avaaz.org/po/350_mapEm menos de 50 dias nossos governantes se encontrarão em Copenhague na Dinamarca para negociar um novo tratado climático global. Por enquanto as negociações estão empacando, e um tratado justo, ambicioso e vinculante parece longe de ser alcançado. Justamente por isto é agora que a mobilização popular pode fazer uma grande diferença. Com esperança para 24 de outubro e Copenhague, Ben, Luis, Taren, Iain, Alice, Pascal, Graziela e toda a equipe AvaazPS. Esta sexta-feira dia 23 de outubro a Graziela Tanaka da Avaaz estará participando da Audiência Pública sobre Mudanças Climáticas da Câmara Municipal do Rio de Janeiro das 9:30 às 13 horas (Praça Floriano, S/N Cinelândia, Rio de Janeiro). Se você puder, compareça! -----------------------------------SOBRE A AVAAZ Avaaz.org é uma organização independente sem fins lucrativos que visa garantir a representação dos valores da sociedade civil global na política internacional em questões que vão desde o aquecimento global até a guerra no Iraque e direitos humanos. Avaaz não recebe dinheiro de governos ou empresas e é composta por uma equipe global sediada em Londres, Nova York, Paris, Washington DC, Genebra e Rio de Janeiro. Avaaz significa "voz" em várias línguas européias e asiáticas. Telefone: +1 888 922 8229Você está recebendo esta mensagem porque você assinou "Defenda o Tibete - Apoie o Dalai Lama" no 2008-03-26 usando o email filbuc@gmail.com. Para garantir que os nossoas alertas cheguem na sua caixa de entrada, porfavor adicione avaaz@avaaz.org na sua lista de endereços. Para mudar o email inscrito, sua língua ou outras informações pessoas, clique aqui:https://secure.avaaz.org/act/index.php?r=profile&user=7cfc01618828196a1b74c81934354030&lang=po ou clique aqui para remover o seu email da nossa lista.Para entrar em contato com a Avaaz não responda para esse email, escreva para info@avaaz.org. Você pode nos telefonar nos números +1-888-922-8229 (EUA) ou +55 21 2509 0368 (Brasil). Se você tiver problemas técnicos visite http://www.avaaz.org

quarta-feira, 21 de outubro de 2009

Fotos & Vídeos de Porto Alegre a Bento Gonçalves













































































































Artur Gomes & Mayara Pasquetti


Beatriz e o Poeta


Artur Gomes & Mayara Pasquetti Jura Não Secreta


Artur Gomes & Mayara Pasquetti Fulinaimagem


Cena do Primeiro Encontro










terça-feira, 20 de outubro de 2009

Uma Semana Entre Delírios E Delícias

























































































































































































































































































































o amor é uma doce sacanagem
quando a gente brinca de fazer
é sexo
quando a gente goza de brincar
e ama
simples ou complexo
quando disser que é fingidor
me esqueça
quando quiser brincar de amor
me chama

Artur Gomes
http://goytacity.blogspot.com/
meu my space
http://www.myspace.com/317911079
Viagem de Bento a Vacaria

Viagens Insanas



















desterro

imagens passam como póstumas
obras de um cinéfilo desvairado entre os anjos
estrelas de sangue e luz brotam da tela
quanto se tange o inatingível
quando se tinge o intangível
e o possível é só coincidência
ou lembrança destas bestas que me cercam
ciência só já não me explica
imagens lavram o poema
e a palavra fogo
trança os olhos de quem pensa
pensando o quê mero poema
palavrinhas são areias
destas praias tão estranhas
pensando o quê mero poeta
que entre folhas entre galhos sóis e sombras
caminha um monge nada casto
enquanto uma lua virgem e nua
lhe adorna a testa
pensando o quê mero palhaço
que entre montanhas verdes e dunas
o monge claro escorre quase líquido
e carrega em seus braços uma sereia de sal
e suas pegadas profundas e largas
são lagoas e mais lagoas de mágoas
imagens varam a retina
e a escrita cristalina já não existe em meio ao sangue
a areia então vermelha vira mangue
e quem sabe entre os carangueijos albatrozes e abutres
haverá um deus pra traduzi-las

rodrigo mebs

http://frutafarta.blogspot.com/

Louco Por um Bolinho de Chocolate






Funk Dance Funk

a noite inteira invento joplin na fagulha jorrando cocker na fornalha funkrEreção fel fala Fábio parada de Lucas é logo ali trilhando os trilhos centrais do braZil. rajadas de sons cortando os ínfimos. poemas sonoros foram feitos para os íntimos. conkretude versus conkrEreção. relâmpagos no coice do coração. quando ela canta eleonora de lennon lilibay sequestra a banda no castelo de areia. quando ela toca o esqueleto de Lorca salta do som em movimento enquanto houver e federika ensaia o passo que aprendeu com mallarmé. punkrEreção pankada onde estão nossos negrumes? nunkrEreção negróide nada. descubro o irado Tião Nunes para o banquete desta zorra e vou buscar em Madureira a Fina Flor do Pau Pereira. antes que barro vire borra antes que festa vire forra antes que marte vire morra antes que esperma vire porra, ó baby a vida é gume ó mather a vida é lume ó lady a vida é life!

Artur Gomes
http://carnavalhagumes.blogspot.com/

segunda-feira, 19 de outubro de 2009

Viajando por Floripa




A montanha bêbada






Praia de Moçambique






Areal da costa de Moçambique




Viagem de Volta






sexta pela manhã demos uma geral no material que fomos registrando desde Bento até a noite de quarta na Costa da Lagoa. Rodrigo gravou e me deu de presente o disco do Grupo folclórico catarinense Alevanta Boi - Boi de Mamão. Saímos de casa as 11 horas para deixar Isabela na Escola. Adília deixeo o carro estacionado no seu trabalho e fomos até a rodoviária comprar passagens. Dali nos dirigimos ao restaurante natural Vila Nova. Depois do almoço fomos visitar o Museu Cruz e Souza, um magnífico casarão do século XIX que já foi sede do Governo de Santa Catarina. Ainda pudemos ouvir a Banda do Frankilino, numa homenagem ao centenário mais 1 de Franklin Cascaes, um famoso artista e pesquisador de Cultura Popular da Ilha de Florianópolis. Deixei a ilha exatamente as 14 horas num Golden Bus da Itapemirim.
Até Curitiba aviagem ainda se deu durante a tarde.

Desde 2006 não trafegava pela Regis Bittencourt, no trecho Curitiba São Paulo. Quando passamos em Registro, que fica no meio do caminho, me veio a memória o poema EntriDentes, escrito ali em 1990, durante o Seminário: Cultura & Resistência, inspirado por uma Piracicabense de nome Mariana.

queimando em Mr de Fgo me registro
lá no fundo do teu íntimo
bem no branco do meu nervo
brota uma onda de sal e líquido
procurando a porta do teu cais

teu nome já estava cravado nos meus dentes
desde quando Sísifo olhava no espelho
primeiro como Mar de Fogo
registgro vivo das primeiras eras
segundo como For de Lótus
cravado na pele da flor primavera
log depois gravidez e parto
permitindo o Logus quando o amor quisera.

Daí em diante dormi praticamente a viagem inteira até chegar no Rio, as 7 e 25 da manhã.

Costa da Lagoa - Floripa - Santa Catarina

O vôo dos albatrozes


Albatrozes na costa da lagoa


Na costa da lagoa


Travessia da lagoa da conceição

quinta-feira, 15 de outubro de 2009

Ilha do Desterro ou da Magia





















na terça feira já embriagado de tanta beleza pelas paisagens da ilha, fomos para o centro histórico, logo depois do despertar. Adília ficou por algumas horas resolvendo questões relacionadas ao seu trabalho na Procuradoria Federal, enquanto eu Rodrigo e Isabela caminhamos em direção ao Mercado Público. Pelas ruas já fomos descortinando a farra a festa até o Zero Grau, um belo bar que ocupa um dos box dentro do Mercado. Nos alojamos na área externa e por altas horas ficamos a nos deliciar com camarão e cerveja Xingu. Ali mesmo no Zero Grau, assistimos ao final da partida da Seleção Sub-20 com a Costa Rica. Adília já havia chegado, e dali saímos captando imagens, enquanto eu procurava uma Monalisa Japonesa ou uma mulher para dançar um Tango. Bebemos alguma cervejas em cia. de Bruna e Inês duas gaúchas procurando trabalho em Floripa. Depois subimos pela rua Tiradentes, até o Bar Canto de Noel, um verdadeiro pedaço do Rio de Janeiro encravado no Centro Histórico da Ilha. O Canto de Noel, é um espetáculo à parte, além do seu cenário com fotos ilustrando toda a nata do Samba Carioca, ficamos por longas horas ouvindo João Nogueira, e histórias contadas por Rafael, um freguês assíduo do Bar.
Ontem enquanto a Adília foi levar a Isabela na Escola, eu e Rodrigo caminhamos até a Costa do Moçambique, onde nas pedras da encosta começou a brotar este texto abaixo o Sul Realista. Moçambique é aquele marisco, que em outras regiões é também conhecido como lambe lambe, utilizado nos ingredientes do caldo de sururu, principalmente pelos baianos. A praia de Moçambique como já frisei, é um recanto de surfistas, com uma água azul cristalina, mas como em todas praias do sul, muito fria. Adília foi nos pegar na estrada e dalí partimos par a Costa da Lagoa, uma viagem de mais ou menos uns 30 minutos de carro, pela estrada à beira-mar, uma visão paradisíaca. De barco atravessamos a Lagoa da Conceição e nos alojamos no bar Sabor da Costa. Com muita cerveja original degustamos uma bela muqueca de badejo e camarão. A noitinha Adília voltou para a Ilha, e eu e Rodrigo por sugestão do proprietário do bar nos alojamos numa das casas da Charlene, uma catarinense lindíssima. A noite subimos pelas escadarias da Igrejinha e fomos até o Mirante Bar, onde assistimos o segundo tempo do jogo Brasil e Venezuela, e conhecemos a Manu, uma menina de 5 anos nascida no Chuí, e desde os 2 anos moradora da Lagoa. No pear em frente a casa de Charlene gravamos uns vídeos hilários, que breve estarão disponíveis por aqui. Uma curiosidade local, são os nomes dos barcos. Os escamados tem nomes de mulheres, e os lisos tem nomes masculinos. Morri de rir, quando percebi que o barco que estávamos atravessando na ida, tem o nome de Ingrid.
Hoje, acordamos cedo, depois de uma noite de ventania e chuva intensa. Subimos pela trilha até o Coração de Mãe, o último bar da Costa da Lagoa, procurávamos um lugar par tomar café, e lá fomos brindamos com uma xícara de Café com Leite, o que serviu para amenizar a ressaca. Do Coração de Mãe retornamos pela trilha até o Lagoa Azul, onde as primeiras cervejas começaram a ser degustadas, com pastéis de camarão e casquinha de siri. Os albatroz faziam a festa sobrevoando por nossos pés e cabeças para pegarem as cabeças de camarão que oferessiámos a eles para que pudéssemos registrá-los bem de perto. Nosso almoço foi outra vez uma bela sequência de camarão. A tarde retornamos, fazendo a atravesia no Daniela IV, com uma Lagoa revolta pela maré alta e pelo vento forte que soprava rumo ao Norte, me apontando a direção do amanhã.