quarta-feira, 2 de setembro de 2009


Aos amigos da arte e colegas da imprensa

Nesta semana a Região dos Lagos ganha de presente mais um espaço destinado a cultura e a arte - o Espaço Cultural Circolo de Criação, na antiga Casa de Cultura de Buzios. E ainda teremos a estréia do mais novo espetáculo da companhia - Circo-lo de Variedades.
Prestigiem e divulguem!
Mais informações abaixo e no blog do Grupo Bicho de Porco e da Quatro por Quatro:

bichodeporco.blogspot.com
equipequatroporquatro.blogspot.com

Abraços a todos
Bruno Peixoto Cordeiro

A Companhia CircoLo de Criação estará abrindo ao público seu Espaço Cultural CircoLo de Criação no sábado, dia 05 de setembro a partir das 18hs.
O Espaço, além de sede da Companhia circense, que desde sua criação, há 2 anos, nunca teve sede fixa, será também um Espaço destinado a receber grupos e artistas não somente da Região, mas também do Rio de Janeiro e de outros estados.
O Espaço contará também com o Purnima Café, que abrirá sempre duas horas antes dos espetáculos, com delícias vegetarianas que harmonizam saúde, respeito à natureza e muito sabor!
O espetáculo de inauguração é o “Circolo de Variedades” no qual a Companhia apresentará diversos números circenses e receberá artistas convidados com seus números de variedades.
“Circolo de Variedades” ficará em cartaz de 05 de setembro a 02 de novembro, sempre com apresentações às sextas e sábados às 20hs e domingos e feriados às 19hs.

Marina Makhohl
tel: (22) 8113-3676
marina.circolo@gmail.com

Comissão do Senado limita jornalismo
na internet durante as eleições; projeto
segue agora para o plenário
Piero Locatelli
Do UOL Notícias Em Brasília

Durantes as eleições, portais, sites de notícia e blogs estarão proibidos de emitir opiniões favoráveis ou desfavoráveis a qualquer candidato.

Essa restrição foi aprovada nesta quarta-feira (2), por unanimidade, pela sessão conjunta da CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) e da CCT (Comissão de Ciência e Tecnologia) do Senado. Essa proposta, que restringe o livre uso da internet durante períodos eleitorais, segue agora para o plenário da Casa. A charges também estarão vetadas e ao menos dois terços dos candidatos terão de ser convidados a participar de qualquer debate.Como comparação, o conteúdo da internet ficará semelhante ao de noticiários de rádio ou de televisão em anos eleitorais. Quando o locutor fala sobre alguma disputa, para presidente ou para governador, fica obrigado a dizer o nome de todos os candidatos, o que fizeram naquele dia. Caso contrário, pode ser processado por alguém.A mesma regra valerá agora para a internet. Portais que usam vídeo para entrevistar candidatos ou fazer análises estarão sujeitos a ser multados e processados se algum político julgar que está sendo preterido.

Restrição ao jornalismo
Conheça aqui o artigo do projeto da reforma eleitoral que limita a cobertura jornalística na internet

Uma reunião entre senadores de vários partidos selou ontem (1) os pontos principais da reforma eleitoral. Estavam presentes os relatores da proposta - Eduardo Azeredo (PSDB-MG) e Marco Maciel (DEM-PE) - além de Aloizio Mercante (PT-SP), Demóstenes Torres (DEM-GO), Serys Slhessarenko (PT-MT), José Agripino (DEM-RN) e Antonio Carlos Valadares (PSB-SE).O desejo dos congressistas é levar a proposta ao plenário do Senado ainda nesta quarta. De manhã, o texto será apreciado em sessão conjuntaA proposta surgiu na Câmara depois do fracasso da tentativa de aprovar uma reforma mais profunda e estrutural. A chamada "reforma política" estabeleceria o voto em lista fechada por partidos políticos e o financiamento público de campanha.Azeredo e Maciel deixaram claro que pretendem diminuir a atuação do TSE (Tribunal Superior Eleitoral). Nos últimos anos, o tribunal regulamentou o uso da internet nas eleições, pois não havia legislação sobre assunto.

O tribunal tomou decisões impopulares entre os congressistas nos últimos anos, como o entendimento de que o mandato pertence ao partido e não ao detentor do cargo.Fichas sujas e doações ocultasA proposta mantém as candidaturas de políticos com pendências na Justiça e as doações indiretas e ocultas aos candidatos.Os candidatos com contas rejeitadas ou que respondam processo que não foi julgado em última instância poderão concorrer sem restrições às eleições.As doações poderão ser feitas aos partidos e repassadas aos candidatos pelos respectivos comitês. Desta forma, o eleitor fica impedido de saber quem doou ao candidato.A prática já é legal. Por meio do novo texto, entretanto, a possibilidade será detalhada e o TSE estará impedido de impor qualquer restrição nesse sentido.CampanhaA propaganda eleitoral será permitida somente nos blogs, sites, comunidades e outros veículos de comunicação do próprio candidato.A propaganda paga em outros sites só será permitida aos candidatos à presidência. Candidatos a outros cargos estarão proibidos.A proposta acaba com a exigência de sites de políticos no domínio ".can.br". Para não sofrerem sanções, os candidatos terão de registrar seus sites em outros domínios no TSE.A campanha na internet só será permitida a partir do dia 5 de julho de cada ano, a exemplo do que acontece em outros veículos.

Leia também
Isolado, PT insiste em urgência na votação dos projetos do pré-sal
Sarney diz que fará tudo para PMDB acompanhar Dilma na sucessão presidencial
Collor é o novo imortal da Academia Alagoana de Letras
Delegada diz que assassino de ex-ministro do TSE era conhecido da família

O fim da internet livre durante eleições
"É um atraso sem fim. Estão vendendo o projeto a ser votado no Congresso como "liberação da internet para a política". Mentira. Liberam muito para os políticos. Limitam ao máximo para os internautas. Felizmente, já há gente de boa cabeça preparando uma adin (ação direta de inconstitucionalidade) para tentar derrubar o monstrengo no STF."
Leia a coluna completa no blog do Fernando Rodrigues

Nenhum comentário:

Postar um comentário