terça-feira, 21 de julho de 2009



Surrealismo é a Arte de Salvador Dalí, e a cidade de Campos dos Goytacazes em matéria de su-realismo supera a léguas e muitas léguas de distância, as fictícias Makondo de Gabriel Garcia Marques e Sucupira do Bem-Amado Dias Gomes. Como uma cidade que vive um caos administrativo/político, onde dentro do centro urbano não se encontra uma rua ou uma calçada sem kilômetros e mais kilômetros de crateras profundas, corrupção em larga escala, pode em sua propaganda oficial ostentar placas como essa aí acima?


Notícias do Detrito Federal:
Senado gasta cerca de R$ 1,8 mi por
ano com gratificação a 75 chefes da gráfica

MÁRCIO FALCÃO
da Folha Online, em Brasília

A gráfica do Senado, considerada o berço político do ex-diretor-geral Agaciel Maia, é o setor com o maior número de chefes da Casa. Além de cinco diretores, são 75 cargos de chefia distribuídos em quatro turnos de atividades --uma média de 18 chefes por período. Além de ser um número expressivo, o problema é que parte desses servidores que ocupam cargos de chefia recebe uma gratificação de R$ 1.900 para comandar serviços que já foram extintos do setor, como a tipografia.

O Senado gasta cerca de R$ 1,8 milhão por ano para manter o bônus dos 75 chefes da gráfica. Eles são responsáveis por administrar 31 aéreas. Há casos de até quatro chefes para controlar o mesmo local. Ao todo, o setor abriga 1.100 servidores --sendo que 420 foram cedidos para outros órgãos do Senado. Dos 680 servidores que restam, 430 são terceirizados que atuam na produção e nas áreas de limpeza e segurança.

De acordo com análise de técnicos da primeira secretária, que trabalha para reestruturar o setor, se os funcionários da gráfica não fossem deslocados, o número de terceirizados poderia ser reduzido em 200 funcionários.

A primeira secretaria deve anunciar em agosto, na volta do recesso, uma modificação na estrutura e na prestação de serviço da gráfica. Parte dos terceirizados serão dispensados e haverá um corte no número de chefes. A proposta prevê ainda a extinção do quarto turno que começa à meia-noite e termina às 6h. O período era mantido para garantir a produção do "Diário do Senado" e do "Jornal do Senado". A gráfica deve passar a encerrar suas atividades por volta das 2h.

Outra modificação será a incorporação de departamentos da gráfica a setores correspondentes na estrutura do Senado, como as áreas financeira, Recursos Humanos e de Consultoria Jurídica, que passarão a ser integradas.


A idéia do primeiro-secretário, Heráclito Fortes (DEM-PI), é mostrar que o reduto político de Agaciel Maia --apontado como o principal articulador das denúncias de irregularidades que atingem a imagem do Senado-- não existe mais.

Criada em 1964, a gráfica se tornou palco de vários escândalos. O mais recente é a descoberta de um novo "trem da alegria" que transformou 82 estagiários em servidores efetivos do Senado, sendo que sete já estão aposentados e seis morreram --neste caso, os parentes recebem pensão. A decisão de transformar em cargos efetivos as vagas de estágio permaneceu escondida durante 17 anos.

Ofício assinado em 1991 por Benevides autorizava Agaciel Maia, então diretor-executivo da gráfica, a efetivar os estagiários no ano seguinte --quatro anos depois da promulgação da Constituição, que proíbe, desde 1988, nomeações sem concurso público. A denúncia foi publicada no domingo pelo jornal "O Estado de S. Paulo".

Em 1995, três anos depois da contratação dos estagiários, Agaciel tornou-se diretor-geral do Senado por indicação do presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP). Ele deixou o cargo em março deste ano, após as denúncias publicadas pela Folha de que ele teria escondido da Justiça uma casa avaliada em R$ 5 milhões.

Leia mais sobre o Congresso
Senado vai investigar contratação de 82 estagiários sem concurso público
Senado efetivou 82 estagiários sem concurso; tucano pede explicações
Comissão do Senado pede demissão imediata de 218 nomeados por atos secretos

Inscrições para 7º Festival de
Esquetes de Cabo Frio até 29 de julho

Faltam apenas duas semanas para o fim das inscrições do Festival de Esquetes de Cabo Frio. O festival, que esse ano chega à sétima edição, receberá as inscrições até o dia 29 de julho. Para esta edição o festival busca um diferencial: o selo “Alternativo”:
— O 7º Festival de Esquetes de Cabo Frio é “Alternativo” como forma de resistência à falta de apoio oficial a nossa arte. Ele mostra que nossa cultura irá sobreviver a qualquer crise econômica, falta de políticas de apoio ou qualquer desculpa de quem não entende que o teatro, o fazer arte, é essencial para uma vida mais plena, questionadora e mais feliz. Contamos com o apoio de todos, se inscrevendo, participando e movendo esse festival que é de todos nós —afirmou o produtor Yuri Vasconcellos.

O produtor Pablo Alvarez não esconde a felicidade pela quantidade de inscrições recebidas e está bastante otimista.— Ano passado o festival recebeu 197 inscrições e, ao que tudo indica, este número deve ser ultrapassado este ano. A expectativa é muito grande. A equipe está trabalhando forte para que tudo continue dando certo. O festival já está no coração de muita gente e não temos dúvida que esse ano será mais uma vez emocionante — completou Pablo Alvarez.
O festival acontece nos dias 19, 20, 21 e 22 de agosto, a partir das 20h. Os ingressos custam R$ 5 e um quilo de alimento não perecível, ou R$ 10.

O regulamento e edital encontra-se disponível no site
www.festivaldeesquetesdecabofrio.blogspot.com/

Nenhum comentário:

Postar um comentário