terça-feira, 9 de junho de 2009



Cine Clube Sesc Campos


Dando Continuidade a programação do Cineclube Sesc: Programadora Brasil, nesta terça-feira (09/06) às 19h serão exibidos três médias-metragens:

Aruanda
Linduarte Noronha , PB, 1960

Brasília, Contradições de uma Cidade Nova

Joaquim Pedro de Andrade, DF, 1967

Ô Xente, pois não

Joaquim Assis , PE, 1973

Cineclube Sesc - Programadora Brasil

No mês de junho, o cineclube sesc, que conta com a parceria da Programadora Brasil, exibirá filmes tendo como temática o Cinema Novo, movimento cinematográfico
brasileiro iniciado na década de 60 e que conta como nomes como os de : Nelson Pereira dos Santos, Glauber Rocha, Cacá Diegues, Joaquim Pedro de Andrade,
Leon Hirszman, Roberto Santos, Rogério Sganzerla, Ruy Guerra entre outros.

A proposta é exibir filmes que tragam discussão em torno do Cinema Novo

O início: exibindo Aruanda, de Linduarte Noronha (1960), curta que mostra a história de um Quilombo, formado em meados do século XIX, por escravos libertos no
sertão da Paraíba, considerado um dos precursores do CInema Novo.

O ícone: serão exibidos filmes de curta e média duração com uma temática em comum, Glauber Rocha.

O Urbano: o Cinema Novo é conhecido por sua forma de retratar (prioritariamente) a miséria humana em cenários áridos dos sertões brasileiros. Porém o urbano é
muito presente no movimento cinematográfico. E nesta perspectiva, será exibido o filme "São Paulo Sociedade Anônima", de Luiz Sérgio Person (1965).

Influênciando: o CInema Novo continua sendo uma forte referência e exerce influência na realização de filmes contemporâneos. Como fruto desta influência, será exibido os filmes
"A Hora da Estrela", de Suzana Amaral (1985) e "Cinema, Aspirinas e Urubus", de Marcelo Gomes (2005).

As exibições acontecem sempre as terças-feiras, às 19h e a entrada é gratuita

Garotinho será julgado hoje
por chefiar quadrilha armada

O ex-governador Anthony Garotinho, o deputado cassado e ex-chefe da Polícia Civil na gestão dos Garotinhos, Álvaro Lins, e os demais réus no processo originado após a operação "Segurança Pública S/A" começam a ser julgados hoje, na 4ª Vara Federal Criminal, no Rio. Garotinho foi denunciado pelo Ministério Público Federal (MPF) por formação de quadrilha armada e foi apontado como "chefe político" da organização. Lins, pelo mesmo crime, além de outros, como corrupção e lavagem de dinheiro. Eles são acusados de liderarem uma organização criminosa formada por policiais civis, políticos e empresários, que usou a estrutura da Polícia Civil do Rio para prática de lavagem de dinheiro, facilitação de contrabando e corrupção, por não reprimir a atividade de exploração de máquinas caça-níqueis do grupo criminoso de Rogério Andrade, sobrinho do bicheiro Castor de Andrade.

A data do julgamento foi publicada com exclusividade pela Folha da Manhã no último dia 29, dia em que a operação completou um ano. Em entrevista à Folha, o procurador da República, Leonardo Cardoso de Freitas, explicou que, embora a audiência de instrução e julgamento esteja marcada para hoje, ela não deverá ser concluída no mesmo dia em função da quantidade de réus e testemunhas arroladas pelas defesas e acusação. Então deputado, Lins foi preso durante a "Segurança Pública S/A" por "flagrante continuado": morava no apartamento que, segundo o MPF, teria sido comprado com dinheiro dos crimes. Além dele, também foram presos os delegados Ricardo Hallak, ex-chefe da Polícia Civil, Luiz Carlos dos Santos, e os agentes Hélio Machado, o Helinho, Mario Franklin Mustange, o Marinho, e Alcides Sodré, o Alcides Cabeção. Lins foi liberado no mesmo dia por decisão da Alerj, mas foi cassado em agosto passado, sendo preso dias depois. Ele conseguiu liberdade há duas semanas.


Gladiador e Hurricane na origem das investigações

A operação "Segurança Pública" foi um desdobramento das operações "Gladiador", em dezembro de 2006, e "Hurricane", em junho de 2007. As duas investigavam ligações da máfia dos caça-níqueis com políticos, policiais e membros do Judiciário. Também serviram de base para "Segurança Pública", da quebra de sigilo fiscal de Álvaro Lins e de investigações posteriores de documentos colhidos pela PF. Durante a "Gladiador", a PF não conseguiu cumprir mandado de busca e apreensão no apartamento de Lins porque a operação ocorreu no mesmo dia em que ele foi diplomado deputado estadual, ganhando imunidade.

Delegado fala sobre nova denúncia

Simone denunciou compra de votos em Morro do Coco A Polícia Federal poderá instaurar inquérito para apurar nova denúncia de compra de votos em Campos, durante a eleição municipal do ano passado. De acordo com o delegado federal, Paulo Cassiano, para isso é preciso que a polícia seja "provocada". A revista Somos Assim publicou, na edição de domingo, matéria com uma ex-militante da prefeita Rosinha Garotinho, Simone Miranda dos Santos, que apresentou cheques, comprovantes de votos que teriam sido trocados por R$ 50 e listas com nomes e números de títulos de eleitores e locais de votação, houve compra de voto nos dois turnos da eleição municipal.

Segundo o delegado, em qualquer delito a polícia pode investigar por iniciativa própria. Isso, porém, não se repete no caso do delito eleitoral. - Nesses casos, tem que haver uma requisição da Justiça ou do Ministério Público. Isso acontece para evitar que a Polícia, que é um órgão do Executivo, possa ser utilizada para beneficiar aquele que esteja no cargo contra possíveis desafetos, por exemplo - explicou.

À revista, a pequena empresária contou que emprestou um cheque de R$ 4 mil e outro de R$ 3,5 mil ao então candidato à Câmara, Luiz Azeredo, que obteve 957 votos e se candidatou pelo PMN, que estava ligado ao grupo de Rosinha. Segundo Simone, o dinheiro foi emprestado para auxiliar na compra de votos. Agora, com o nome negativado no Serasa, Simone espera que os culpados sejam punidos. Sobre as tentativas para receber o dinheiro, a ex-militante da prefeita Rosinha disse que recebeu promessas de emprego e que a situação se resolveria, mas que nada se concretizou.

"Alta Tensão" com novas apreensões
­
A operação "Alta Tensão", que na última sexta-feira cumpriu sete mandados de prisão cautelar e 23 de busca e apreensão, contou com desdobramentos no dia de ontem. Seis carros, cinco computadores, jóias, R$ 20 mil em dinheiro e documentos foram apreendidos após a ação policial que contou com a participação de 30 agentes das delegacias de Campos (134 DP) e São Francisco de Itabapoana (147 DP). Segundo fontes da Polícia Civil, os policiais estiveram em cinco empresas suspeitas de desvios no final do governo Alexandre Mocaiber.

Os mandados de busca e apreensão foram expedidos pelo juiz da 1ª Vara Cível de Campos, Heitor Campinho. O coordenador regional de Polícia do Interior (CRPI), Luís Maurício Armond, informou que os três suspeitos que tiveram mandados de prisão expedidos e ainda se encontram foragidos, Itanalei Falcão, Luís Fernando Siqueira e o contador Paulo Monteiro, continuam sendo procurados. Vale lembrar que os suspeitos tiveram os arrestos de todos os seus bens determinados pelo juiz da 1ª Vara Criminal de Campos, Leonardo Gramasson.
Na sexta-feira, policiais apreenderam 11 carros, nove caminhões, duas motos, além de computadores, cerca de 300 cheques, livros contábeis, eletrodomésticos e até um estúdio de gravação.

CPI - Ontem, os membros da CPI da Campos Luz discutiram o possível afastamento do vereador Dante Lucas (PDT), que faz parte da comissão e teria ligação com uma empresa investigada, a Fidalcon. Porém, após uma reunião, ficou definido que o vereador continua. Após tomar conhecimento do fato, Dante demonstrou tranqüilidade e disse que não precisa esconder nada. O vereador Papinha (PP), presidente da CPI, disse que não há nada contra o colega. "Nos reunimos para analisar a situação e, por enquanto, não existe nada que confirme a participação do vereador", esclareceu Papinha. Os valores relacionados a empresa que teria ligação com o vereador, giram em torno de R$ 2,4 milhões. Na próxima reunião da CPI, que está marcada para amanhã, é esperada a presença de representantes da Caixa Econômica Federal.

fonte: Folha da Manhã - http://www.fmanha.com.br/


Meu avatar do Mania

Há um duplo meu que vem sendo construído involuntariamente pelo jornal Mania de Saúde. Está ficando divertido. Qualquer dia o uso como um avatar. Tempos atrás disseram que trabalho na assessoria da Transpetro (quando o correto é Sindipetro-NF). Agora, em caderno comemorativo dos seus 18 anos, dizem que estudei no Liceu! (quando o correto é ETFC), que sou mestre em Comunicação (quando o correto é Sociologia) e que enalteço a imparcialidade política do jornal (quando jamais disse tal coisa).Sei que erros acontecem, e não exijo nenhum tipo de retratação. Seria muita presunção acreditar que minhas informações biográficas teriam alguma relevância a ponto de merecerem correção em um jornal. Só acho engraçado mesmo.

por Vitor Menezes às http://urgente.blogspot.com/

Diálogos

O Projeto Diálogos, do Instituto Federal Fluminense, será lançado neste próximo dia 10, às 18h, no auditório Miguel Ramalho, do campus Centro do IF Fluminense. Organizado pelo Diretório Acadêmico e Pró-reitoria de extensão, o projeto tem como objetivo realizar, pelo menos em uma quarta-feira do mês, palestras abordando assuntos pertinentes à realidade regional. Na abertura do evento acontece a palestra “Reforma urbana e impacto dos grandes empreendimentos” com a professora Teresa Peixoto (Uenf), professor Luis Pinedo (IF Fluminense) e o pró-reitor de extensão da Instituição, Roberto Moraes.

(Ímpar Comunicação)
fonte: blog do Ricardo André http://ricandrevasconcelos.blgospot.com/





Nenhum comentário:

Postar um comentário