sábado, 9 de maio de 2009



Rodrigo Bittencourt Lança Mordida Na Veia





Rodrigo Bittencourt é cineasta, escritor, cantor e compositor. Em 2006 estreou no cinema com o curta-metragem documentário “Por Acaso Gullar”, com Ferreira Gullar. Em parceria com Maria Rezende, onde foi roteirista, diretor e produtor. O filme passou por diversos festivais sendo o mais importante deles o festival do Rio de janeiro. Em 2007 produziu escreveu, dirigiu e fez a câmera do documentário de curta metragem sobre Jorge Mautner chamado “Procurando Jorge Mautner” (com participações de Caetano Veloso, Jards Macalé e Paulinho Moska) que também passou por diversos festivais sendo o mais importante deles o festival internacional de cinema de São Paulo. Esse curta metragem deu origem a uma série de tv chamada “PROCURANDO QUEM?” Que está na sua segunda temporada no canal Brasil onde Rodrigo Bittencourt é o diretor, escreve os roteiros, faz a câmera e ainda participa como ator. A série é uma mistura de ficção com documentário onde Rodrigo explora diversas maneiras inusitadas de se documentar uma história. Na primeira temporada Rodrigo fez 13 programas. Sobre Carlos Drumound de Andrade, Elza Soares, Cacá Diegues, Moraes Moreira, Clarah Averbuck, Zé Dumount entre outros. Na segunda temporada os programas sobre Ed Motta, Hebe Camargo, Diogo Mainardi e Zeca Baleiro já estão sendo filmados. A segunda temporada estréia no fim de maio no Canal Brasil.

No cinema Rodrigo Bittencourt em parceria com Maria Rezende trabalha na feitura de traillers onde é o roteirista da dupla. Entre os mais famosos que a dupla já concebeu estão: Meu Nome Não é Jonny, Ônibus 174 e Divã.
Além do Canal Brasil Rodrigo foi roteirista da emissora Mult Show trabalhando em programas como “Básico”. Em 2008 foi contratado pela EMI para Dirigir o vídeo clip do cantor João Guilherme Estrella (famoso pelo filme Meu Nome Não é Jonny) o clipe ficou durante dois meses na programação da MTV. Trabalhou também como câmera para a Conspiração Filmes onde realizou vários trabalhos institucionais e de making offs.

Como escritor em 2008 lançou seu primeiro romance, “Esmalte Vermelho”, pela editora Língua Geral com orelha de Cacá Diegues e prefácio de Jorge Mautner. Em 2009 lançará em setembro seu segundo romance “Língua de Fogo” pela mesma editora. E em 2010 lançará em abril pela editora Pallas “Ópera Brasil de Embolada” um livro juvenil escrito todo em embolada. Ritmo que também é chamado de “Repente” e que foi criado no nordeste do Brasil.

Ao lado de Maria Rezende, dirigiu e produziu os projetos “Te vejo na Laura” e “Santa Cultura”, que reunia artistas consagrados a talentos da favela de Santa Marta.
Na música foi gravado por Fagner, Maria Rita, (sua música “samba meu” também deu nome ao disco da cantora Maria Rita) e agora por Luiza Possi que prepara lançamento do seu disco novo. Trabalha nesse momento compondo com Ana Carolina, Jorge Mautner, Tavinho Paes, Celso Fonseca, Artur Gomes e Mauro Santa Cecília.

Em junho de 2003 lançou seu primeiro cd, “Canção pra ninar adulto”, pelo qual recebeu elogios de Adriana Calcanhoto, Carlos Malta, Celso Fonseca e Tom Zé. Em dezembro de 2008 lançou pela Nataxa Records e microservice seu mais novo disco “Mordida”, produzido por Nilo Romero que já produziu artistas como: Cazuza, Ana Carolina e Moska).

Por esse disco recebeu críticas elogiosas de jornalistas importantes como Mauro Ferreira e João Pimentel. Esse último animado com que escutou fez uma grande entrevista com Rodrigo publicada no segundo caderno de O Globo em 27 de dez de 2008. Por causa de ótimas críticas o disco caiu nas mãos dos donos da revista japonesa LATINA que resolveu fazer uma matéria com Bittencourt de artista revelação de 2009. Rodrigo também trabalhou na trilha sonora de alguns curtas-metragens e de dois documentários produzidos por Gláucia Camargos.

Rodrigo Bittencourt cursou cinema na faculdade Estácio de Sá e se formou como ator na Faculdade da Cidade onde fez cinco peças. Entre elas “A Morta” de Oswald de Andrade onde interpretou o próprio poeta e fez a trilha sonora.
Rodrigo Bittencourt é um apaixonado pela cultura Brasileira e agora procura entender as influências africanas dentro dela e porque refugiados da África são a maioria no Brasil. Porque eles escolhem o Brasil? Essa ligação entre os refugiados africanos que vêm principalmente para o Rio de Janeiro é seu interesse atual e por isso deseja fazer o seu primeiro documentário de longa metragem sobre esse tema riquíssimo em possibilidades e tão importante tanto para o Brasil como para o mundo.

ana carolina e eu cantando no hsbc hall
http://www.youtube.com/watch?v=DcA84cjznvs&feature=related
clip coleção de amores http://www.youtube.com/watch?v=XLTbrVcqGJw


Rodrigo Bittencourt dá mordida no pop banal

Resenha de CD
Título: Mordida
Artista: RodrigoBittencourt
Gravadora: Nataxa Artes
Cotação: * * * *



Cantor e compositor que já milita há anos na cena indie carioca, Rodrigo Bittencourt já tinha lançado CD (Canção para Ninar Adulto, 2003) cultuado no meio musical. Mas foi somente em 2007 - quando Maria Rita batizou e conceituou seu terceiro disco, Samba Meu, com música de Bittencourt - que o nome do artista começou a ser mais notado fora do universo indie, abrindo caminho para a justa badalação em torno de seu segundo álbum, Mordida, produzido por Nilo Romero. O disco, ótimo, vem embebido em referências poéticas, embaralhadas em letras que denotam urgência pop.

"A estrada dessa vida é muito curta
e eu não posso deixar de amar",

avisa Bittencourt em Ficar Aqui, tema sustentado por leve batida de reggae. E o fato é que se o cantor apenas dá conta do recado, o compositor se revela dos mais interessantes. Mordida não é disco que soa óbvio. A boa surpresa pode ser a batucada que se faz ouvir no meio de Aquele Canalha, parceria de Bittencourt com o poeta Tavinho Paes (de versos devastadores), ou o cover suave de In Bloom (Kurt Cobain) que até se ajusta à sonoridade do álbum. E o fato é que da primeira (o rock Coleção de Amores, cuja letra foi urdida com versos do livro Trilogia do Kaos, de Jorge Mautner) à última de suas 11 faixas (Esmalte, jóia de alto quilate pop), o CD transita longe da incensada estética cool e dá bela mordida no conformismo que enfraquece a nativa música pop desta década.

Sim, há um ou outro instante mais trivial, como a canção Solitude e a fria As Pequenas Coisas, parceria de Ana Carolina com o produtor Nilo Romero. Em contrapartida, há delícias como Nego 10 (em que o autor traça o perfil do jogador-título do tema funkeado) e as canções Ipanema Inn e Cinema Americano (música que a cantora Thaís Gullin já apresentava em show e que Rodrigo Bittencourt grava em dueto com a poeta Maria Resende). Lançado ao apagar das luzes de 2008, Mordida tem munição para consolidar o nome de Rodrigo Bittencourt entre os melhores compositores dessa apática década.


Mauro Ferreira

http://blogdomauroferreira.blogspot.com/

música samba meu gravada pela maria rita
http://www.youtube.com/watch?v=WpL9FTH0s0I
as músicasi estão aqui
www.myspace.com/rodrigobittencourt
samba meu – maria rita ao vivo
http://www.youtube.com/watch?v=k_ybroM6c70&feature=related

coleção de amores
(jorge mautner/ rodrigo bittencourt)

meu ídolo santo é são sebastiao flechado
cheio de axé eternamente apaixonado
esqueça o compromisso esqueça aquele agravo
eu te quero eu te cobiço
eu sou a rosa e você é o cravo vamos para a chuva
que ela é quente na praia tropical
ela é como a gente faz o bem e faz o mal
manda ver o chicote
manda ver a noite inteira
depois quero que você
bote na minha boca tua língua inteira

Nenhum comentário:

Postar um comentário