quarta-feira, 6 de maio de 2009



Érica
Ferri
minha
musa
do RG
Deu a Louca no Samba Urgente:

Reunião amanhã da Associação dos Blogueiros Desocupados(ABD) a partir das 19h no Nelsinho´s Bar(ex-estranho), ali na Alberto Torres, logo depois do SESC. Assunto: Definir data para o evento: Blog And Roll & Poesia. Eis o Desafio: : Criar a ONG organização não governamental AACBD(Associação de Arte e Cultura Blogueiros Desocupados), mas com fins lucrativos, porque blogueiro não é otário né!


IndGesta

uma caneta pelo amor de Deus
uma máquina de escrever
uma câmera por favor
um computador
nem que seja pós-moderno

vamos fazer um filme
vamos criar um filho
deixa eu amar a lídia
que a mediocridade
desta idade mídia
não coca cola mais
nem aqui nem no inferno

Artur Gomes
FULINAÍMA PRODUÇÕES:
http://youtube.com/fulinaima
Veja aqui: cantada por Luiz Ribeiro: Avyadores do BraZil.

A Noite do Vinil nesta semana tem lado A e lado B. Hoje é a vez das vozes femininas da MPB, na Taberna Dom Tutti, às 22h, em homenagem ao Dia das Mães. E amanhã, quinta, 21h, vai ter samba no vinil na Morada do Samba, com o tema "Brasileiras comuns", também para reverenciar as mães.A Taberna Dom Tutti fica na Rua das Palmeiras, 13, próxima ao Parque Alzira Vargas. A Morada do Samba fica no final da 28 de Março, próxima ao trevo para as praias.
Postado por Vitor Menezes - Marcadores: , ,

OS ESCRITORES E A NOVA LEI: SE LIGA

Rapaziada: depois de amanhã (dia 6) termina o prazo da consulta pública que o Ministério da Cultura e a Casa Civil estão fazendo sobre o projeto de lei do Profic, que modifica a Lei Rouanet (já comentei sobre isso nessa espelunca). A proposta de mudança é boa - poderia ser mais ousada, mas a pressão contrária seria muito forte. Quem tem privilégios, não quer perder. Não sei se todo mundo sabe como funciona a Lei Rouanet. Em resumo: a iniciativa privada (empresas) utiliza dinheiro público (através da renúncia fiscal, isto é, deixa de pagar impostos) para patrocinar o que ela acha relevante. Pra entender melhor: se a Coca-Cola quer patrocinar um mega-show da Ivete Sangalo ou do Bruno e Marrone com dinheiro dela... bem, o dinheiro é dela e ela faz o que quiser. Mas se ela faz isso com dinheiro público, é uma aberração.
Há casos em que teatros privados foram construídos com dinheiro público via lei Rouanet. Em suma: as empresas têm total liberdade para patrocinarem o que quiserem utilizando dinheiro que não é delas. O que significa? Óbvio: que propostas mais radicais, ousadas, ou que não tenham o envolvimento de nenhum figurão (leia-se famoso) nunca consegue captar recursos, como se diz no jargão dos “incentivos”.

A proposta do Ministério da Cultura não acaba com essa aberração, mas regulamenta um pouco melhor a parada e, mais importante, fortalece o Fundo Nacional de Cultura (que já existe, mas funciona com uma merreca). O que isso significa? Que um projeto, uma vez aprovado por uma comissão pública (e não por um gerente de marketing de uma grande empresa), recebe o dinheiro diretamente do Fundo Público. Simplificando, é isso.

Beleza. Mas no caso da literatura, a proposta da nova lei avança pouco. Melhor: nada. Não há nada específico para a literatura, mas sim para o livro e leitura. O que isso quer dizer? Em poucas palavras: que o maior beneficiado, neste caso, é o setor industrial. Livro é produto. Literatura é linguagem artística. E deve ser reconhecida desta forma dentro da nova lei. Portanto, com dotação orçamentária própria. Como terão o teatro, o circo, o cinema, a dança, as artes visuais, a música. Só no caso da literatura está se privilegiando o produto (o livro) e não a linguagem.

Well: eu mandei uma proposta para o Ministério da Cultura e para a Casa Civil (que estão promovendo o debate e recolhendo críticas e propostas). Texto abaixo. Acho importante que os escritores se manifestem. Eu tenho acompanhado alguns debates e percebo que não é de araque. Há intenção do Ministério de realmente criar uma política cultural. O momento é esse. Tire uma horinha do seu dia, se informe sobre o assunto (se informe, pra não falar besteira) e tente interferir. Acho que vale a pena. O link da consulta pública é esse: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/consulta_publica/programa_fomento.htm
Há também um blogue do Ministério da Cultura só sobre o assunto. Link: http://blogs.cultura.gov.br/blogdarouanet/
Sei que nem todos têm saco. Sei que pode parecer um assunto chato, mas diz respeito a nossa profissão (ou Atividade Criativa Incontrolável). Bom, tá dado o recado. Abaixo, o texto que enviei para o Minc e Casa Civil:


PROPOSTA PARA A LITERATURA NO PROFIC

Como integrante do Movimento Literatura Urgente, apóio o esforço de construção de uma Política Pública de Estado para a Cultura, e proponho as seguintes modificações no caso da LITERATURA:

1) Que a literatura seja considerada uma linguagem artística pelo Ministério da Cultura e pelo Estado Brasileiro e, consequentemente, saia do guarda-chuva Livro e Leitura e migre para o Fundo Setorial das Artes.

2) Que 50% da dotação orçamentária destinada ao Fundo Nacional do Livro e Leitura seja realocado para o Fundo Setorial das Artes para ser aplicado diretamente no FOMENTO À CRIAÇÃO E CIRCULAÇÃO LITERÁRIA.

Por que? Não se trata apenas de uma questão semântica. A literatura não se manifesta apenas através do livro. O livro é o suporte, o produto industrial, e está ligado ao MERCADO. A literatura pode se manifestar, especialmente no mundo contemporâneo, através de revistas literárias, sites literários, cds, dvds ou audio-books INDEPENDENTES e também pode se desdobrar em programas como o escritor nas escolas, o escritor nos equipamentos culturais das periferias das cidades e uma infinidade de outros programas. É uma distorção absurda privilegiar o PRODUTO e não a LINGUAGEM. Por que isso acontece apenas no caso da literatura? Há que se considerar também que, por exemplo, mais de 90% da poesia publicada no Brasil é feita através de edições independentes, pois as editoras argumentam que poesia não tem mercado. No caso da poesia é um problema gritante, mas ele não se resume apenas a esse setor. Portanto, este é o momento de se corrigir essa distorção e INCLUIR o escritor nas políticas públicas de Estado e por um fim nesse quadro histórico de EXCLUSÃO.

Ademir Assunção
http://zonabranca.blog.uol.com.br/
Marko Andrade Aldeia Afro Tupy
A nossa aldeia AfroTupy, linguagem sonora e poética, é nossa ferramenta de luta com que buscamos ficar fora do controle deste sistema perverso. Sistema este que, transforma todos em sujeitos reprodutores desta tola e apodrecida ordem social que a nova configuração do capitalismo nos impõe. Estamos claramente nos contrapondo a esta ordem, porque ela nos nega a existência de outra possibilidade de viver, isola e estabelece vazios absolutos, quase sempre de forma sutil e sorridente, mas sempre perversa e cruel. Somos todos detentores de uma outra possibilidade, de uma outra forma de vida, de uma outra estética baseada nas nossas vivências criativas nos subterrâneos invisíveis das periferias. Também devemos ser, e somos, sem medo, uma noção particular de um Brasil rejeitado, de um Brasil periférico que construiu um olhar dinâmico de si mesmo, é rebeldia, é potência, é art.. É uma enorme gama de movimentos pessoais e coletivos do tamanho do sonho. É a liberdade e interação dos mundos material e espiritual na operação da máquina humana. É a fé no recolhimento para o conhecimento que produzirá energia vital para os infinitos ciclos evolutivos que estão por vir.A NOSSA ALDEIA CANTA, DANÇA, FALA, TEM COR E ISTO NOS DÁ ESPERANÇA. É ASSIM VIVEMOS ESTA NOSSA ALDEIA AFRO TUPY.
VEJA O CLIP DA MUSICA COMUNHÃO
VEJA A PAGINA DE MARKO ANDRADE
COMPRE O CD ALDEIA AFROTUPY E FORTALEÇA
ESTA NOSSA REDE DE FORÇA CULTURAL
JÁ ESTA A VENDA NO CAFÉ RIVAL BR NA CINELÂNDIA
ENTRE EM CONTATO
MARKO ANDRADE

Deu A Louca Mocidade Na Cabeça!
A apuração do carnaval em Campos seguiu o mesmo esquema dos desfiles na "avenida do samba" começando com um atraso de três horas. Alejandro Castilho representou o secretário de Cultura de Campos, Orávio de Campos Soares, que justificou ausência informando que se encontrava em reunião com a prefeita Rosinha Garotinho. Justificativas à parte, o que não ficou muito claro foi a chegada das urnas de votos, vindas da Fundação Municipal Teatro Trianon.
Segundo os carnavalescos que aguardavam o início das apurações, as urnas chegaram numa Kombi da prefeitura com placa KGX 5952. Os presentes disseram que, nas edições anteriores, as urnas eram guardadas no 8º Batalhão da Polícia Militar e chegavam ao local de apuração escoltados por policiais, mudança que não teve justificativa pela organização. ATRASO ATÉ NA APURAÇÃO Iniciada ao meio-dia, a apuração dos votos dos campeões teve momentos de emoção e também de lavação de roupa suja. Como era de se imaginar, segundo os representantes das agremiações, os quesitos concentração e cronometragem, "aqueles" famosos atrasos desta edição do carnaval, não foram julgados.
Mocidade Louca foi a grande campeã do grupo especial de escolas de samba. O presidente da vice-campeã, Ururau da Lapa, negou-se a receber o troféu. O presidente da Mocidade, Jorginho de Ogum, gritava para quem quisesse ouvir sua indignação por ter visto publicado no blog do presidente da Fundação Municipal Oswaldo Lima, Alvanir Ferreira Avelino, que Arnaldo Viana havia dado à escola 35 mil reais, o que, segundo Jorginho, é mentira. "Quero que me provem tudo que foi dito", desafiou.
Bloco iniciante do grupo de acesso de escolas de samba, Madureira do Turfe, que possui a mesma diretoria do Boi Jaguar, campeão entre os bois convidados deste carnaval, também levou o título de campeão em sua categoria. - É uma alegria muito grande, essa dupla vitória, fruto de muitas noites viradas e trabalho sério. Dedico o resultado deste carnaval ao empenho dos moradores do bairro Turfe Clube, aos 60 contribuintes da comunidade, que reforçaram nossas verbas, à escola de samba de Barcelos, Trinca de Ouro, e ao carnavalesco Eduardo Rodrigues e companhia - distribuiu o presidente do Madureira do Turfe e Boi Jaguar, Marcelo Velasco.
No grupo especial de blocos, o rebaixamento do Acadêmicos do Samba foi inevitável. O tetracampeonato dos Caprichosos de Guarus foi acompanhado voto a voto pelos foliões, e o Bloco Verde e Branco ficou com o vice-campeonato. O presidente dos Caprichosos de Guarus, Ipojucam da Silva Barcelos, disse que o tetra-campeonato é fruto de muito trabalho e parcerias. - Só conseguimos fechar o carnaval porque a prefeitura de Belford Roxo nos doou R$ 6 mil. Parabenizo a iniciativa da prefeita Rosinha, porque tanto a verba quanto a infra-estrutura montada para o carnaval ajudaram para o ótimo desempenho das agremiações na Avenida do Samba.
O bloco Os Psicodélicos subiu para o primeiro grupo. Unidos de Nova Brasília ficou com o segundo lugar e Juventude da Baleeira foi desclassificado por não ter atendido a quesitos exigidos no regulamento dos blocos de acesso. Unidos do Capão e Em Cima da Hora não desfilaram na quinta, dia 30. - A união fez a força e o título é o resultado de nosso trabalho. Fomos duplamente presenteados porque, este ano, completamos 41 anos de existência. São 22 títulos como campeão do grupo especial. Foi essencial termos vencido porque Os Psicodélico tem tradição na cidade. Na vida da gente, muita coisa acontece, e essa vitória veio brindar nossa garra e determinação por um carnaval de qualidade - revelou o presidente do bloco, Silvio Roberto Carvalho.
PRESTAÇÃO DE CONTAS
As escolas de samba, bois e blocos têm 30 dias para fazerem prestação de contas, com documentação, junto à Procuradoria Geral do Município, segundo informação de Orávio de Campos. A transparência das declarações é condição para a inclusão das agremiação nos planejamentos e liberações de verba para o carnaval de 2010.
Maria Fernanda Crispim

2 comentários:

  1. Sou mais um blogueiro desocupado seguindo vocês!!

    Vamos que vamos!

    Abraços

    www.brunobuexm.com

    ResponderExcluir
  2. No trabalho sou desocupado...no blog,sou trabalhador...abraços,sucesso para o formigueiro de blogs.

    ninobellieny.blogspot.com

    ResponderExcluir